Pães artesanais têm endereço certo na Vila Leopoldina

Na Madeleine Bakery, o astro maior é o pão artesanal produzido com fermentação natural
O número 42 de um dos principais endereços da Vila Leopoldina, a Rua Carlos Weber, ganhou uma ocupação nobre, que atraiu moradores do bairro durante o dia todo de sua inauguração. Falamos da Madeleine Bakery, que produz à vista dos clientes e comercializa pães artesanais com fermentação natural, aberta ao público no último sábado, 18/11, com justificado alvoroço.
Daniele e o chef Marcelo: adeus ao Direito e à Publicidade
Como diz o chef Marcelo Marques, proprietário do empreendimento juntamente com a esposa, Daniele Ricci Marques, a loja só tem padaria no nome – “bakery, em inglês” –, pois trata-se, na verdade, de uma “boulangerie”, que, além dos pães feitos com fermento natural – levain -, produz os bolinhos de origem francesa Madeleine, que dão nome à casa, e alguns outros confeitos europeus, como o choux cream e éclair (bombas de chocolate).

GASTRONOMIA NO DNA O novo point da Vila Leopoldina nasceu graças ao interesse pela gastronomia, manifestado desde garoto, por Marcelo Marques, que deixou de lado a profissão de publicitário e, incentivado pelo esposa e sócia, Daniele, que também abandonou outra profissão convencional – a advocacia –, partiu para a realização de seu sonho montando inicialmente na zona Norte de São Paulo uma fábrica de pães.
“Iniciei-me na gastronomia há 15 anos. Desde criança sempre cozinhei. Fazia pães, bolos, pratos diferenciados. Mais tarde, incentivado por amigos e minha esposa, me especializei em gastronomia molecular, aprendendo a técnica francesa do “sous-vide”, ou seja, cozimento em baixa temperatura e tempo longo”, conta Marcelo.
Empreendimento trouxe mais brilho à Rua Carlos Weber
Tornou-se, então, discípulo do renomado chef Rogério Shimura, que, entre outras iniciativas, criou, em 2013, a Escola Levain de Panificação.
“Com as técnicas do chef Shimura, um mestre no assunto, ingressei na atividade de panificação e confeitaria. Graças à técnica de sous-vide, uma cocção em baixa temperatura e tempo mais longo, aprendi a fazer pães com fermentação natural. Hoje, só trabalhamos com fermento natural, que chamamos de ‘levain’. Não é o fermento químico que pode ser comprado em qualquer supermercado ou padaria. É, na verdade, um fungo, uma massa de farinha e água. Quanto mais deixarmos fermentar o pão a frio, mais saudável ele fica. Porque o pão se alimenta do açúcar e do glúten existentes na farinha. Com essa técnica, nossos pães têm menos açúcar e menos glúten. São pães que mesmo em tamanhos grandes são leves, com grandes alvéolos, bem airados. Um pão suave, não massudo. bem leve. A pessoa pode comer um pão italiano inteiro, que não vai ficar com o estômago pesado”, garante Marcelo.

Na inauguração loja esteve cheia de clientes o dia todo
NASCE A MADELEINE Antes de se decidir a vir para a Vila Leopoldina, Marcelo tocava uma padaria industrial, na zona Norte da cidade. “Era um galpão fechado, não havia loja. Só fornecíamos para pessoa jurídica. O forte eram os pães. Mas às vezes, por encomenda, fazíamos alguma coisa de confeitaria.” Novamente, o incentivo da esposa foi crucial para outra guinada de vida.
“A Daniele, minha esposa, era advogada num escritório. Na época em que tirou licença maternidade veio me ajudar na fábrica e sugeriu que eu passasse a vender pães delivery. Fizemos um teste e foi um sucesso. Tanto que ela deixou o Direito e veio para a panificação, me incentivou a montar a loja e correu, comigo, atrás de um bom local. A opção por Vila Leopoldina se deve primeiramente ao fato de termos bons amigos no bairro e, depois, porque fizemos uma pesquisa e constatamos que a região estava carente de um empreendimento deste tipo”, explica Marcelo.
A loja foi montada de maneira que os clientes vejam o local onde é produzido tudo o que está na
Prefeito da Lapa, Carlos Fernandes, esteve lá para dar boas-vindas
vitrine, basicamente pães artesanais, com fermentação natural. “O campeão de audiência é o pão de bacon com cebola caramelizada. Mas há ainda o pão de azeitona e  o tartano, um pão gigante com linguiça calabresa, além do outros sabores. Entre os doces temos alguns franceses, feitos com farinha importada, tais como o Madeleine, bolinho em forma de caracol que remonta ao filósofo francês Voltaire e, por opção da minha esposa, dá nome à boulangerie. Fora isso teremos aqui vinhos e, no futuro, teremos cerveja artesanal”, conclui.
Na inauguração, a Madeleine Bakery, esteve repleta de clientes todas as horas do dia. De manhã, também recebeu visita do prefeito regional da Lapa, Carlos Fernandes, que compareceu para dar as boas-vindas aos novos empreendedores da Vila Leopoldina, da mesma forma que Rogerio Medeiros, coordenador do movimento Nossa Leopoldina, que reúne dezenas de empresários do bairro.

Veja mais sobre o evento em nosso canal no canal no YouTube e nas imagens a seguir:
Por causa do levain - fermento natural - mesmo os pães maiores são de leve digestão


Pães nos mais diferentes formatos e sabores para todos os gostos


Chef Marcelo e o  auxiliar Wilian ajeitam bandejas de Madeleine, bolinhos em forma de caracol, que dão nome à loja
 

Vinhos de qualidade e, no futuro, cervejas artesanais para acompanhar os pães



Comentários

  1. Para aqueles que, assim como você, não faz dos seus pratos meros petiscos, mas grandes sabores que dão energia para a batalha diária da vida e proporciona alegria aos olhos, paladar e estômago. Sempre acreditei em seu talento beijos irmão te Amo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Tainha na brasa: festival de dar água na boca

Prefeito da Lapa prestigia reunião de empresários

Café também tem tudo a ver com beleza

CET vistoria pontos críticos no trânsito da Vila

Superférias do Sesi: corra que ainda dá tempo

Banana prata e repolho verde têm bons preços

Finalmente o destaque que Vila Leopoldina merece